Notícias

Defesa da Indústria

O futuro do trabalho na Indústria 4.0

Conselho de Recursos Humanos da FIEMG debate tema em reunião

Por Talita Boutros

12/03/2019 17:27:13

 Atualizado em - 12/03/2019 17:27:13

O futuro do trabalho na Indústria 4.0

/ Foto: Sebastião Jacinto Júnior

A Indústria 4.0 e o futuro do trabalho estiverem na pauta da reunião do Conselho de Recursos Humanos da FIEMG, realizada nesta terça-feira, dia 12/03, na sede da entidade.

Ricardo Aloysio e Silva, gerente de Tecnologia e Educação para a Indústria do SENAI –MG, apresentou aos membros do colegiado dados sobre a Indústria 4.0 e a produtividade brasileira. Hoje o país está em 80° lugar no ranking de produtividade entre 137 países. De acordo com estudos, atualmente um trabalhador brasileiro é quatro vezes menos produtivo que um dos Estados Unidos.

Segundo o gerente, a Indústria 4.0 tem o potencial de reduzir os custos de manutenção entre 10% e 40%; e também o consumo de energia entre 10% e 20% e aumentar a eficiência do trabalho entre 10% e 25%, por exemplo. “A 4ª Revolução Industrial é uma revolução de Tecnologia e Inovação. Nós chamamos de Jornada da Transformação, que começa pela otimização dos processos”, diz.

Um relatório do World Economic Forum aponta para uma perda total de 7,1 milhões de postos de trabalho devido às drásticas mudanças no mercado de trabalho no período 2015-2020. Os cargos mais afetados estão relacionados a atividades administrativas e de rotina em escritórios. No mesmo período, serão gerados 2 milhões de novos empregos, principalmente nas áreas de Computação e Matemática e Arquitetura e Engenharia. As características profissionais mais importantes no futuro serão: solução de problemas complexos; pensamento crítico e criatividade.

O SENAI-MG está se preparando para este novo momento. Um Centro de Treinamento e Desenvolvimento da Indústria 4.0, localizado em Contagem, está sendo construído para atender a indústria. Em uma área de 3.600 m2, o espaço vai contar com área de Digitalização Industrial, Espaço Super Maker, área de Manufatura Enxuta Digital, se tornando uma fábrica referência para a Indústria 4.0. A entidade oferece o curso “Desvendando a Indústria 4.0”, totalmente gratuito e em EAD, para quem quiser entender mais sobre o tema.

Patrícia Vinte Di Iório, presidente do Conselho de Recursos Humanos, ressalta que a apresentação deixa um sinal de alerta para todos. “Vimos hoje alguns números que são preocupantes, como o desnível da escolaridade no Brasil. Como recepcionamos uma mão de obra hoje nas indústrias que é defasada, que não tem a criatividade como o seu eixo de atenção?”, indaga. Patrícia assegura que “essa discussão é preocupante, mas deve ser um grande desafio e oportunidade para participarmos desse processo como um todo”.

Martha Lassance, assessora da presidência, apresentou o Planejamento Estratégico do Sistema FIEMG 2018 a 2022 – Pró-Sociedade e Indústria. “São seis desafios com diversos objetivos estratégicos que vão nos dar um norte. É preciso saber para onde estamos remando”, ressalta Lassance.

Pollyanna Morais, gerente de Câmaras, Conselhos e Representações da FIEMG, apresentou o projeto “Conhecendo o Sistema FIEMG”, que tem o objetivo promover maior interação e sinergia entre as áreas de negócios do Sistema FIEMG com as Câmaras e Conselhos e os sindicatos empresariais. “Os associados ao CIEMG e aos sindicatos têm à disposição um conjunto de cursos, eventos, serviços e convênios oferecidos pela entidade e o Sistema FIEMG (FIEMG, SESI, SENAI e IEL), além de assessoria em diversas áreas e apoio na promoção de negócios”, afirma.

SJJ_6551.JPG